João Bosquo

Semente de flor

Ainda que tudo desintegre
desmorone, desmanche
na poluição funesta

Ainda que todos se calem
desliguem os rádios
e esqueçam da música

Ainda que prostrem os risos
do começo, do meio e do fim
sem ter havido comédia

Ainda que esqueçam da chuva
a chuva da água esqueça
a água esqueça dos mares

Ainda que a bomba possa explodir
e destrua tudo com sabor...
Restará uma semente de flor.

Um comentário:

SADY FOLCH DE CARDONA disse...

Semente que produzirá uma nova semente...que produzirá outra....que produzirá outra...e tudo que se foi, será ocupado por flores...flores cheias de sementes.