Renato Báez

AS ÁRVORES

Cavalgando o solo abrupto em busca de firmeza,
Onde possam crescer, florir, dar sombra amiga,
Seguem firmes, meu Deus, as leis da natureza,
Sem revolta, sem tédio e sem clamar fadiga!

Entre os verdes ramais em que o amor se abriga
Na comunhão feliz do sonho e da beleza,
Não medra, como em nós, a trama, a vil intriga,
A minar-lhes, de vez, os troncos e a nobreza!
São todas bem irmãs!... E os galhos retorcidos,
A caminho dos céus, sublimes, são erguidos,
Em mudas oblações às glorias do Senhor!

No mundo vegetal, mais puro e mais perfeito,
Traz cada uma um tronco, e dentro dele – um peito,
Se as árvores têm alma... e delas – nasce a flor!

*Renato Báez (1920-?)

Nenhum comentário: