Desutilidade Poética, de Manuel de Barros, no Sesc Arsenal

Um musical que reúne teatro, literatura, dança e culinária cuiabana. É assim o espetáculo ‘Desutilidade poética’ que consegue captar a simbologia e a riqueza de sensações que somente o olhar de Manuel de Barros conseguiria retratar será apresentado nos dias 01, 02 e 03 de agosto, no Salão Social do Sesc Arsenal, às 20h.

O cenário é feito com materiais descartáveis e numa espécie de cozinha improvisada o ator durante o espetáculo prepara uma maria-isabel com farofa de banana, no qual o preparo tem a duração exata do espetáculo. Ao final a comida é servida à platéia durante um bate-papo sobre o processo de criação.

O ator Maurício Ricardo, faz um passeio nas palavras de Manuel de Barros que provoca os mais variados sentimentos, toca cada um a seu modo. O objetivo é despertar no público sentimento, sensações diferentes.

Novos caminhos

O espetáculo teve origem no projeto do Sesc: Poesia, Versos e Cordas, e de lá pra cá sofreu alterações até chegar ao que hoje é apresentado, nessa nova versão já foi apresentado no Sesc Arsenal durante o Festival Palco Giratório 2008, e obteve grande aceitação pelo público recebendo vários comentários favoráveis.

A reapresentação contribuirá para formação de platéia e a sensibilização dos sentidos, conforme objetivos previstos nas ações sistematizadas do Sesc impressas. Neste projeto Manuel de Barros nasceu em Cuiabá, no Beco da Marinha, à beira do Rio Cuiabá, em 19 de dezembro de 1916. É filho de João Venceslau Barros, capataz que tinha muita influência nessa região. Mudou-se para Corumbá-MS, onde se fixou de tal forma que chegou a ser considerado corumbaense. Atualmente mora em Campo Grande-MS, e é poeta, fazendeiro e advogado. (Fonte: Assessoria/SESC)

Um comentário:

SADY FOLCH DE CARDONA disse...

Moro atualmente em Sâo Paulo e convivo com escritores como Gabriel Perissé, Nelson de Oliveira, entre outros, que têm forte admiração pela poesia de Manuel de Barros.
É para mim motivo de orgulho ter a oportunidade de discutir a respeito da cultura e dos artistas de minha terra.
Sady