João Bosquo

Minha poesia precisa de fortuna crítica

    Minha poesia precisa,
    urgentemente, de uma
    recauchutada - quem sabe -
    de metalinguagem, que é
    a linguagem poética
    da poesia no momento

    Minha poesia precisa
    entrar na moda
    Deixar de ser caipira;
    esse ar que se respira
    na província, tão démodé,
    sem nenhuma estética

    Minha poesia precisa
    falar mais da poesia
    e se fazere concisa;
    adotar a dialética
    como musa, não no conteúdo
    mas na forma, que hoje é tudo.

3 comentários:

afonso alves disse...

grande bosquo
sempre leio com prazer seus textos

Anônimo disse...

sua poesia é tão inteligente quanto você!

SADY FOLCH DE CARDONA disse...

João, sua poesia precisa apenas que você a expresse, como acredito tenha feito até agora...se precisa disso ou daquilo, ela é quem vai dizer..e você, bom, você irá continuar a representá-la com essa beleza que agora tenho a oportunidade de conhecer.
Parabéns
Abraços meus
Sady