João Batista Conrado

AVE MATUTINA

Pássaro solitário. Ave da manhã.
Vôo que corta a imensidão em busca de uma resposta.
Saudade incontida de um TEMPO fora do tempo.
Em cada amanhecer, revoada de pássaros.
No raiar do Sol o pouso para descanso.
No horizonte ainda adormecido,
seu bico aponta uma nova rota.
Suas asas cansadas e trêmulas
ainda podem alçar vôo.
O corpo carente pede aconchego.
Mas a placidez de sua alma sabe,
que muitos Sóis vão nascer.
Até que seu Espírito dê o mergulho definitivo,
no Azul e Branco do INFINITO.

Nenhum comentário: