Hélio Taques

Maria Taquara

Eu sou de Cuiabá
Não nego meu sotaque
faço angu de fubá.
E danço no ritmo do atabaque.

Eu sou Maria taquara
Maria pobre,descalça
Não me cutuca com vara
Que eu visto minha calça.

Ando por Cuiabá
Fazendo estripulias
Bebendo meu guaraná
E cantando minhas cantorias.

Fumo cigarro de palha
Debaixo da mangueira
Meu general usa farda
Ele goza comigo a noite inteira.

Sou livre como tuiuiú
Só não gosto da fome
Ela fede que nem o jaburu
Na magreza daqueles que somem.

Meu nome é Maria
Chamam-me de taquara
De noite, não faço romaria,
eu viro pau de arara.

2 comentários:

Ilkilene disse...

Poesia linda, digna de um legitimo cuiabano, espero ler mais de seus escritos fabulosos. Bom saber que Mato-Grosso continua sua fabrica de grandes poetas.

Anônimo disse...

Poesia maravilhosa, e que nos mosntra uqe temos escritores cuiabanos como vc Hélio.
Parabens espero ler mais.