Avoante do Cariri

Garrafa Térmica


Contam que, não sei em que ano,
Lá no inferno, um tal fulano
Tinha sido condenado
A um braseiro desgraçado.

Era um cara cuiabano,
Segundo outros, poconeano,
Já curtido, acostumado
A agüentar calor calado.

Da infeliz eternidade,
Tiritava de saudade
Do seu ninho abrasador.

E, socado lá no inferno,
De sapato, meia e terno,
Inda pede um cobertor.

*Avoante do Cariri é pseudônimo de Antônio Rodrigues Pimentel, o Padre Pimentel (†2006), ex-professor da UFMT.

Um comentário:

SADY FOLCH disse...

Parabéns ao Poetas de Mato Grosso por esta postagem. Um soneto bem humorado e bastante divertido.

Abraços aos poetas desse Estado maravilhoso.

Sady