João Briene de Camargo

Soneto

Estavas ao piano e um denso manto
De nuvens o luar tinha coberto...
E a voz ergueste com tão vivo encanto,
Que o céu brilhou qual santuário aberto.

E as almas comovidas por teu canto,
Tantas que nem contá-las pude ao certo,
Abrem as asas, soluçando, e em pranto
Descem do céu para te ouvir de perto.

Mas findou-se o teu canto; o edêneo bando,
Ajoelhado a teus pés, graciosamente,
Fechou as asas e ficou sonhando...

E enquanto rias, conformando as almas,
E eu beijava as tuas mãos, confuso e crente,
As estrelas, no céu bateram palmas.

JBM nasceu em Faxina (SP), em 1885 e morreu em Cuiabá, onde trabalhou como professor.

Um comentário:

danilo disse...

Lindíssimo soneto. Bom era o tempo desses. Hoje restam poucos poetas com coragem e habilidade para uma composição dessas.

Danilo Zanirato