José Luiz Silveira Ballock

PESCADOR DE ESTRELAS
Construí no sonho um arco-íris,Para vencer a força das ondas do mar,As distâncias das campinas,A altura das montanhas,As profundezas dos vales,A solidão do deserto,O longo véu das cascatas,O embaçamento da neblina,O frio das geleiras,Encontrar moedas no pote de ouro.
E subi, subi, e no alto, bem alto,Bem no meio das cores,De caniço e anzol nas mãos, para pescar,As estrelas coloridas, translúcidas e longínquas,E colorir o opaco dos olhos dos peixes.
De repente, o diadema colorido ruiu,Espatifando-se em mil fragmentos coloridos,Liberando eflúvios de notas musicais,Sobre a Terra, girando em caleidoscópio azul.
Portinari pintouCom o verde, o amarelo e o vermelho,A história colorida da Humanidade,Vivaldi musicou a naturezaE eu cai dentro de um dia de Sol.

Um comentário:

José Luiz disse...

Prezado João Bosquo, obrigado pelo presente, é tão valioso quanto o pote de ouro no final do arco iris.
Mesmo distante, pelas bandas de Niterói RJ, a influência mato-grossense está presente na poesia. Valeu cara.