Flavia Angelini.


Luz da noite que conduz por caminhos e pensamentos, onde vago, por labirintos em névoas.

Transporto-me à maré alta, pés descalços na areia limpa.

Sinto a arrebentação das ondas, trazendo esculturas de sal.

Por onde andarei? Não enxergo mais os caminhos, escolhas deixaram de fazer sentido e a vida se faz quase destruída.

Os ventos espalham como sussurros mentiras. A noite se alegra contando como verdades.

Ao abrir da luz surge uma ponte que liga ao inimaginável, e castelos de sonhos se erguem nas folhas amareladas dos contos infantis.

Por que a luz da noite?

Direi que é a mais bela entre todas as luas descobertas.

Que o brilho esconde o eu.

Por uma tênue ilusão: a do viver iluminado e morrer camuflado.


Flavia Angelini.


Um comentário:

ysoldacabral disse...

Flavinha,

Porque será que eu amo todos os poetas do Mato Grosso? (Rsrs)

Muito bom seguir este blogger.

Beijos de sua "madrinha,
Ysolda Cabral