Francisco de Aquino Corrêa (Dom Aquino Corrêa)

As Lavras de Sutil
Antemanhã, quando no céu de leste,
Mal se esgarçava em luz a noite mansa,
Miguel Sutil de Sorocaba avança,
Rumo ao mistério do sertão agreste.

Estrada longa e atroz! Mas ele a investe,
Com redobrado heroísmo, e não se cansa.
Vão-lhe à frente dois índios, e a Esperança
Visões de ouro não há, que não lhe empreste.

E  ei-los que chegam a estes sítios belos,
Onde o outro excede todos os castelos,
Do sonho audaz do bandeirante. Lá,

Ao longe, em praias verdes e desertas,
Faiscava o rio...  Estavam descobertas
As minas imortais do Cuiabá.

Nenhum comentário: