Leidyanne Andrade

 




Sussurros entre os ouvidos
Pernas se contorcem ao som
O som estremece a coluna
Coluna que sustentada aquela ar serio que se desfaz.

Choques de desejos
Que sinto até os joelhos
Quando mais perto chega a hora de se amar.

A boca o ouvido
Soneto mais que infinito
Tiram todo o meu equilíbrio
Quando mais se deseja chegar.

A busca por nervos
Mãos, pele
Desejo.
É como se estivesse chegando lá.

A boca ainda contas historias
As mãos se seguram
A boca se fecha
Enquanto fantasias você começa a me falar.

Não pare,
Não avance,
Continue.
A boca o ouvido.
Tudo o que você precisa para me calar.


(Leidyanne Andrade)

Nenhum comentário: